Ziriguidum? Laiálaiá? Paranauê!!!

Por Fabricio
Tem muita coisa bacana da cultura brasileira que, de alguma forma, nos faz falta! A gente faz o que pode para tentar compensar isso e eu posso dizer que a gente vive bem com essas compensações!
Às vezes nós nos deparamos com surpresas agradáveis, como encontrar um vinil do Beto Guedes em um sebo daqui de Quebec ou fazer uma vaca atolada*** com a saborosa mandioca vinda da Guatemala que a gente sempre encontra no supermercado…
Lógico que tem coisas da cultura brasileira que não nos faz a menor falta! Mas acredito que estas coisas não fazem falta até para quem mora no Brasil(rs) e, como parte da cultura brasileira, a gente reclama bastante destas coisas que nos incomodam! Surpresas desagradáveis também aparecem por conta disso…
Muitas dessas coisas nos fizeram colocar nossos planos e sentimentos na balança e, da balança, direto para a mala! Migrar (legalmente) para cá foi, definitivamente, “A” escolha!!!
A inevitável e constante comparação entre os dois lugares, as duas culturas e duas políticas nos rende algumas “madrugadas filosóficas” de tempos em tempos, mesmo porque a gente chega aqui com as referências do lugar de onde saímos. Na grande maioria das vezes, a comparação nos leva a conclusões muito positivas em realção a onde estamos e, obviamente, negativas em relação ao Brasil… É a constante reafirmação de que fizemos uma boa escolha! Bom para nós!!! Êta ferro!!!
Mas, às vezes, compartilhar a felicidade de alguma pequena vitória daqui ou reclamar/criticar de alguma coisa errada das terras tupiniquins pode não soar muito bem por lá, como eu pude observar recentemente depois de lançar mão do meu humor ácido (aliás, característica tipicamente brasileira) para falar das bizarrices deste último carnaval que chegaram aqui pelas redes sociais…
Prontamente, chegaram mensagens questionando a minha (AINDA) enorme preocupação com o Brasil já que eu não moro mais lá… Aquela já conhecida mensagem subliminar de cuspir no prato que comi e trololós adjacentes…

Como assim, maluco?! Minha família e meus amigos estão lá, uai!!! Como não me preocupar??? Se eu não me preocupasse com o lugar onde vivem algumas das pessoas que mais amo neste planeta meu coração seria mais gelado que o inverno daqui, tabarnak!

Quem vive a migração como nós vivemos, sabe que essa vida é a soma do que trazemos de bom do nosso país de origem com o que há de bom que adquirimos no país que nos acolhe. A SOMA!!! Temos dois países agora, sacou?!
Quem não tem a experiência da migração, por mais viajado que seja, acaba achando que você deixa de ser brasileiro e começa a “gringar” quando sai do Brasil em definitivo mas continua soltando um ou outro comentário mais azedinho de tempos em tempos (ou de bizarrices em bizarrices que pipocam por lá).
Bom! No meu caso, nasci no Brasil e sou filho de um brasileiro com uma brasileira… Para quem não sabe, só isso já me assegura o meu glorioso “status” de cidadão brasileiro ad æternum, mas o fato de eu ainda pagar impostos lá, me garante ainda mais o direito (que qualquer brasileiro tem) de reclamar do que eu acho que está errado no Brasil! Então, neste caso, acho que, na verdade, o prato que eu comi é que está cuspindo em mim(rs)!
Minha mãe, a essa altura de seus 84 anos, não precisa ver o ânus de uma popozuda pintada de verde transmitido em cadeia nacional em zoom aberto disputar ibope com a notícia da nova vida em liberdade do goleiro Bruno ou o habeas corpus de mais um político envolvido na corrupção que coloca a direita e a esquerda no mesmo tabuleiro de pizza…
Notícia boa? Tem também, uai! Para quem torceu para a Portela, ela é campeã depois de 33 anos de jejum… Olha que notícia boa!!!
O bizarro virou regra nessa terra esquecida por deus (que, diga-se de passagem, é considerado brasileiro mesmo sem ter nascido lá e sem ter pago um centavo de imposto)! Mas quem está errado??? Eu, que não moro mais lá e que, por conta disso, não tenho mais o direito de falar mal do Brasil, pois eu puxo as pessoas para baixo com o meu post de “feliz ano novo” em uma quarta-feira de cinzas pós hashtag do “cuverde”…
Caríssimo leitor, se você está neste processo de migração torturante, tenha a absoluta certeza de que querer melhorar não é defeito! Sacrificar-se e correr atrás disso é 100% válido e nobre! E sim! Você tem o direito de falar o que quiser de seus países, sejam eles o de origem ou o de destino!!!
Para terminar, deixo aqui um link de uma cantora francesa de trocentos anos que é muito mais velha e azeda do que eu e a Rita Lee juntos. É bom para você praticar o seu francês também.
***Vaca atolada – Para quem não conhece essa iguaria tipicamente mineira, sugiro uma rápida “googlada” para que você comece a se perguntar como você sobreviveu até hoje sem consumi-la em doses cavalares! Sugiro googlar “Feijão Amigo” também!!!
Anúncios

Sobre Les Brazucois

:: Fabricio & Nilian . Aventuras e desventuras desses dois imigrantes em Québec, Canadá ::
Esse post foi publicado em Voilà. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Ziriguidum? Laiálaiá? Paranauê!!!

  1. Andrea Britto disse:

    Ótimo texto! 😉 Um grande abraço!

  2. Rose disse:

    Excelente texto. Minha filha e genro foram pra Alemanha 15 atrás fazer um pós doutorado e agora já com cidadania e duas filhas nunca mais pensaram em voltar. Mas até hoje qualquer comentário comparando o Brasil com a Alemanha recebe montes de críticas. Eu chamo isso de dor de cotovelo ou inveja, Quem não pode ou tem preguiça de tentar sair do Brasil acha sempre um jeito de criticar aqueles que conseguiram. Parabéns a vcs que enfrentaram de frente as dificuldades e hoje são vencedores. Acompanho seu blog desde quando estavam no Brasil. Com certeza vcs fizeram muito bem. Torço pelo sucesso de vcs. Grande abraço ao casal.
    Rose

  3. Romulo Leitao disse:

    ahaha muito bom! Adoro o blog de vocês! =]

  4. Fred disse:

    Concordo. Quem ainda está aqui sofre com essa baboseira de carnaval… o que isto acrescenta no ser humano? Outro dia recebi um zapzap que era um cartaz chamando para ver a gravação das brasileirinhas de carnaval… é mole? (neste caso não né)….

  5. Ah, Fabrício… manda esse povo que te criticou catar coquinho no cálice do tabernáculo!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s