Apátrida? Eu?

Salut mes amis.

Não sei se já havia contado, mas passamos o mês de junho no Brasil. Sumiço mais do que justificável. Nosso tempo foi dedicado à família e aos amigos, além de algumas horinhas em bancos e repartições públicas para resolver burocracias, como regularizar nossa situação na justiça eleitoral por causa da ausência na última eleição.

E como foi nossa viagem às terras tupiniquins depois de dois anos morando em Lévis, na Província de Québec?

Não quero criar inimizades ou despertar o ódio, mas o Brasil está um caos (ou será que sempre foi assim?).

No primeiro dia eu fiquei completamente atordoada com o barulho. Era televisão ligada nas alturas, telefone tocando, cachorro latindo, carro tunado passando na rua com som ensurdecedor tocando uns funks escrotos (sim, eu odeio funk!) e fazendo os vidros das janelas vibrarem, fora o caminhão do sinhôzin grunhindo “Olha a uva! Olha a uva! Moça bonita não paga, mas também não leva!”. Loucura!

Meus cinco sentidos trabalharam muito. Senti o cheirinho da minha Mãe, vi como meu sobrinho de 13 anos mudou (já é um rapaz!), ouvi várias declarações de amor de amigos e entes queridos, fiz carinho nos meus “sobrinhos caninos” e degustei desordenadamente a culinária brazuca.

Contudo, concluí que não pertenço mais ao Brasil. É estranha demais essa sensação. Não sei se consigo explicá-la para vocês. Eu estava na minha “terra natal”, super à vontade com meus amigos e parentes, mas, ao mesmo tempo, completamente deslocada.

E quando o avião aterrissou em Québec eu relaxei. Relaxei porque vivi momentos estranhos no Brasil: medo de assalto, violência no trânsito, intolerância, despreparo do funcionalismo público, latinidade exacerbada, falta de educação e blá blá blá! Nada mudou. Eu mudei!

Já que você “renega” e não pertence mais ao Brasil, Nilian, então você pensa que é o que? Depois dessa viagem, reafirmei com os meus botões que hoje eu me considero apátrida. Não me vejo mais brasileira, tampouco Québécoise (ou canadense 😀 ). Admito que parte da minha memória afetiva vive uma crise.

E já que uma certa rebeldia tomou conta deste post, bora terminá-lo com um punk! Resume bem minha casa, minha vida!

Inté mais!

Anúncios

Sobre Les Brazucois

:: Fabricio & Nilian . Aventuras e desventuras desses dois imigrantes em Québec, Canadá ::
Esse post foi publicado em Voilà. Bookmark o link permanente.

8 respostas para Apátrida? Eu?

  1. Geovana disse:

    Nossa que posts legal, estou amando visitar e ler os posts deste blog maravilhoso, realmente um dos melhores blog que eu amo visitar.

    Parabéns !

    Visite Meu Blog >>> Minas Cap

  2. Sinto o mesmo, mas como comentar isso no blog sem parecer que estamos desmerecendo o Brasil ou cuspindo no prato em que comemos? A questão é que morar fora do Brasil abre os olhos para uma realidade diferente (melhor e pior dependendo do ponto de vista) e algumas coisas ditas normais, começam a causar estranheza. Para eu que estou a 7 anos aqui no Canadá visitar o Brasil é perceber que o país realmente piorou e não foi apenas eu que mudei. Triste….

    • Les Brazucois disse:

      Você disse tudo, Sandro: “morar fora do Brasil abre os olhos para uma realidade diferente”. Ahhh se todos pudessem ter essa experiência para aguçar o olhar… Enfim, vamu que vamu! Abração

  3. Rose disse:

    Olá! gosto muito do seu blog.
    Entendo perfeitamente o que vc sentiu voltando ao Brasil. Minha filha mora a 15 anos na Alemanha e sente a mesma coisa. Depois que vc está acostumada com a ordem é muito difícil aceitar a bagunça que o Brasil virou. Eu que vou sempre pra Alemanha ver meus parentes quando volto fico deprimida por um bom tempo rss. Espero que um novo governo consiga aos poucos melhorar isso aqui. Embora tudo depende mais da educação do próprio povo.
    Boa sorte pra vcs nesta nova jornada.
    Rose

    • Les Brazucois disse:

      Olá, Rose. Fico muito feliz que tenha gostado e acompanhado o bloguinho que nada mais é do que um diário “a céu aberto”…rs!
      Quanto ao Brasil, torço muito para dar certo, para melhorar, ainda que seja para nossos netos ou bisnetos usufruírem. Que a educação se torne cada vez mais prioridade!
      Boa sorte para sua família na Alemanha, boa sorte para você, boa sorte para o Brasil e boa sorte para todos nós!
      Abração.
      Nilian

  4. Julião Goes disse:

    Excelente Post ! Estou curtindo bastante lendo os posts deste blog, são todos muitos legais e interessantes, sempre gostei de blogs assim.

    Parabéns !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s