Eu sou a piada

Salut mes amis.

Finalmente dando o ar da graça para contar as últimas novidades. E que novidades… Desde o último post, muita água (congelada) passou debaixo da ponte.

Preparados?

Minha experiência como caixa de supermercado durou pouco mais de dois meses. Não segurei a angústia e pedi pra sair. Putz! Foi muito frustrante. Fiquei com uma sensação de derrota por alguns dias e ainda carrego este ranço comigo. O fato de não entender o francês me levou ao desespero. Esta barreira da língua era (e é) algo que eu realmente não imaginava o quão difícil, e cruel, seria.

Não digo que tenha sido a pior experiência e sim a mais desafiadora até agora. Assumo que não fui capaz de insistir por mais algum tempo até afinar o ouvido. Eu chegava em casa completamente destruída fisicamente e psicologicamente. Segurei até o dia em que uma cliente perdeu a paciência e foi extremamente rude. E eu, sem entender nada, só dizia Pardon! Pardon! Toutes mes excuses! E eu só entendia que era uma reclamação pela expressão e uns quatro Tabarnouche là là.

O que aconteceu?

Ela chegou no meu caixa com um carrinho abarrotado de produtos e uns vinte cupons de desconto. Até aí tudo bem. O problema foi a minha moleza, pois tinha que ler o verso dos benditos cupons para identificar a promoção, o produto, o valor, a data e anotar um código de uns duzentos dígitos. Esta lerdeza irritou demais a criatura e, como se não bastasse, ela me pediu uma raspadinha e eu achei que o nome era de algum cigarro. Hahahahahahaha! Rir pra não chorar! A Madame pirou e foi reclamar também com a minha gerente.

E a gerente?

Depois que a poeira e o movimento abaixaram, ela foi até o meu caixa e me perguntou o que tinha acontecido. Eu contei e ela riu. Ela riu! Achou muito engraçado eu ter confundido cigarro com loteria (provavelmente devo ser A Piada). Mesmo com a tranquilidade e paciência dela, mesmo me dizendo que estes episódios são “normais” (pois existem pessoas intolerantes no mundo), mesmo com o incentivo do tipo Je vous fais confiance, eu pedi pra sair no dia seguinte.

Aproveitei que era a minha folga e fui lá conversar. Na verdade, pedir demissão. A gerente insistiu, insistiu e insistiu pra ficar. Mas eu insisti, insisti e insisti pra sair, dizendo que meu francês não estava bom e que eu tinha real noção disso. Perguntei se eu poderia deixar as portas abertas. E ela respondeu que sempre estará de portas abertas.

Beeeeem lá no fundo, acho que ela foi com a minha cara. Até me ligou uns dias depois pra saber se estava tudo bem.

Fiquei surpresa, mas até hoje procuro minha autoestima perdida em algum lugar entre cigarros e loterias.

Tem mais novidades, mas vamos por partes pra não deixar o post imenso.

Vou ali fazer uma 6/49 e volto já.

Bises!

 

zebra

Anúncios

Sobre Les Brazucois

:: Fabricio & Nilian . Aventuras e desventuras desses dois imigrantes em Québec, Canadá ::
Esse post foi publicado em Voilà. Bookmark o link permanente.

23 respostas para Eu sou a piada

  1. Canada Again disse:

    Nilian
    Vou fazer um comentário para ajudar vc a recuperar sua alto estima 🙂
    Morei em Montreal de 2011 até 2013. Fomos por conta do trabalho do meu marido. Meu marido tem inglês fluente, fez high school nos states.
    Apesar de irmos para Montreal a lingua “oficial” no trabalho dele era o inglês. Mesmo sendo fluente e não tendo dificuldade nenhuma com a lingua, nos 2 ou 3 primeiros meses ele chegava em casa EXAUSTO do trabalho. A cabeça doía.
    Fique tranquila que no início é assim mesmo. Uma coisa é saber outro idioma e usá-lo no dia a dia ou coisa é usar esse idioma para trabalhar e ter que mudar a chave da sua cabeça por 6/7 horas diária de trampo.
    Daqui a pouco seu francês vai tá um arraso.
    Sucesso.
    Abs
    Danielle

  2. Nilian, ri muito da sua história e ao mesmo tempo fiquei com dó. Não desanime, parece-me que está indo muito bem.

    Li várias publicações do blog e vi que você é de JF! Eu também! Ainda estou no Brasil mas meu marido e eu estamos nos preparando para ir em 2016. Adorei seus posts, aqui sou professora de português mas penso em mudar para a área de jornalismo quando estiver aí.

    Sorte a vocês! Beijos!

    • Brazucoise disse:

      Deliane!!!! Você é minha conterrânea?! Que prazer imenso ver alguém da pricensinha de Minas comentando por aqui!
      Boa sorte no seu processo de imigração. Se vc está pensando em mudar de profissão, aqui é o lugar ideal pra isso. Os sonhos são possíveis.
      Venha de coração aberto!
      Super abraço!
      Nilian

  3. Doug disse:

    Parabéns, Nilian!! Nossa, eu não sei se teria aguentado um mês, ansioso do jeito que eu sou! Realmente, você foi guerreira! Idioma realmente é punk, o pessoal que ficava atrás das famosas “150 horas” de francês não faz ideia…

    Em tempo: não sei quais são seus planos daqui pra frente, mas eu tô pensando seriamente em tentar um certificado de um ano de francês como segunda língua na Universidade de Montreal. Se animar, me fala que te passo o link!

    Abraço, e força aí que uma hora isso vai ser só história!
    Doug

    • Brazucoise disse:

      Oi, Doug!
      Obrigada pela força e pela dica.
      Eu cogitei a possibilidade de fazer o Français Langue Seconde na Université Laval, mas acabei desistindo e postulei para um Cégep.
      As coisas vão fluindo dia após dia. Estou mais tranquilinha…rs!
      Boa sorte aí!
      Bjo,
      Nilian

  4. Nath disse:

    Com certeza essa experiência deve ter ajudado você a melhorar o Francês, talvez seja interessante um trabalho que não tenha que lidar com público e clientes no início! Eu conheci uma francesa que está fazendo intercâmbio aqui e nós temos tentado conversar quando nos encontramos, tenho me sentido mais segura, mesmo achando que sempre estou falando tudo errado! hehehe 🙂 E nós estamos conseguindo nos entender, claro que ela fala devagar e temos o inglês e um pouco de português p/ nos salvar algumas horas, mas, já ta valendo o treino 🙂 Boa sorte com as próximas experiências! Vou aguardar pelas próximas novidades! 🙂

    • Brazucoise disse:

      Ei, Nath!
      Eu consegui um emprego que não tem muito contato com o público. Falarei somente com os colegas de trabalho. Acho que será melhor mesmo!
      Obrigada pela força!
      Bjo,
      Nilian

      • Nath disse:

        Mas, já é bom né? Diariamente você falar com os seus colegas é mais tranquilo e já ajuda também né? Bonne chance toujours!!

  5. Filipe disse:

    Cabeça erguida, Nilian!

    Tenho certeza que você deu seu melhor em todo esse período como caixa! Eu pessoalmente não consigo nem me imaginar passando por algo tão desafiador como você fez. Não tenho mesmo uma facilidade para atender ao público, em francês então, imagina o drama rs..

    Você acha importante ir muito mais a fundo em cursos de francês considerando que vocês concluíram toda a francisação? Tenho também esta preocupação, pois minha esposa voltará para a universidade quando chegarmos por aí, mas ela não fala uma palavra de francês ainda e imaginei que a francisação poderia ser um bom salto neste sentido.

    De toda forma, não tenho dúvidas de que vocês tirarão de letra, independente do rumo que desejarem tomar. O passo mais importante vocês já tomaram, que é de ter a humildade de correr atrás de novas possibilidades. Agora é só questão de tempo para tudo entrar nos eixos!

    Boa sorte e sucesso! Estarei acompanhando vocês!

    • Brazucoise disse:

      Obrigada, Filipe, pelas palavras de incentivo e força!

      No meu caso, a Francisação foi primordial. Comecei em agosto do ano passado, no nível II. Inclusive, continuo nela. O Ministério da Imigração disponibilizou mais um nível, o FIA-4, de 10 semanas. Comecei em abril e vou até julho. Este último nível é em tempo parcial, de segunda à quinta.

      Eu cogitei a possibilidade de fazer o famoso Français langue étrangère (FLE) ou Français langue seconde (FLS) na Université Laval, logo depois da Francisation. Eu desisti, pois quero fazer um Cégep. Por isso, não justificaria pagar este curso, sendo que desenvolverei o francês no curso do Cégep do mesmo jeito.

      Mas é bom lembrar que cada caso é um caso. Conheço alguns brasileiros que fizeram o FLE e/ou o FLS na Laval e amaram.

      O único conselho que dou a vocês: venham de coração aberto! O primeiro ano é cheio de novidades e desafios. Muitas experiências intensas, mas o tempo vai ajustando as ideias no lugar! Confiem!

      Abração! Se precisarem de alguma coisa, entrem em contato. Nosso telefone é (418) 988-9818.

      Boa sorte!
      Nilian

  6. Sandro disse:

    Nilian, não se preocupe, você é normal. Na maioria dos empregos é mais importante ouvir e entender do que se expressar. E o ouvido apura-se com o tempo: mais do que estudar francês, é preciso ouvir radio, TV, pessoas na rua e conversar com nativos. Boa sorte você vai conseguir.

    P.S. muitos amigos meus nessa situação de primeira experiência, optaram por trabalhar no Subway. O vocabulário (e o menu) é bem mais restrito, então a chance de alguém te pedir um cigarro/rapadinha é nula.

    Boa sorte.

    • Brazucoise disse:

      Ei, Sandro! Obrigada pela força e incentivo! Estou mais tranquila e o que tem me ajudado é o trabalho voluntário (bénévolat). O ouvido está afinando dia após dia!
      Abraço,
      Nilian.

  7. Anderson disse:

    Nilan,
    Estou rindo ate agora do tabarnuche là là…so quem esta ou ja passou aqui entendeu essa parte.
    Sem dúvida eh um baita desafio, mas de gente estupida o mundo ta cheio, a diferenca eh q se fosse na sua lingua entenderia praticamente tudo…mas nem em potugues a gente entende tudo, num eh verdade?
    Por ultimo sua gerente foi muito atenciosa, eu me pergunto sempre qual seria a reacao de um brasileiro com isso, sera q seria parecida? Acho ate que sim, mas vindo de um quebeco eh uma boa e agradavel surpresa!

  8. Les Lapins disse:

    Mulé, choquei. Ou não, como diz Caetano…

    Que aquela mulher é uma vache, ela é! Infelizmente ela nao é a unica, ha muita gente assim espalhada por ai. : -(

    Nem o seu francês nem o de ninguém, nem mesmo dos franceses, é suficiente para pessoas que pensam como essa mimosa. Aliás, provavelmente nem dos québecos que não façam parte do circulozinho dela.

    Dói pacacete quando a gente é alvo desse tipo de gente e elas nos pegam justo num dia que nossa fortaleza interior está meio rachadinha, mas com o tempo vem aquele conforto de que a gente vai falar nao só francês, mas tb. português, tvz ingles, tvz outros idiomas. Ja vache continuará sendo aquela coisinha dentro daquela caixinha pequenininha e com tampa, sabe?
    Em alguns poucos anos você terá conquistado muito mais (em qualquer quesito que quiser avaliar, material ou não)…que ela em toda a vida dela.
    Porque se ela nao teve um mínimo resquício de empatia em relaçao a você, lógico que ela nao faz a menor idéia do que é aprender um outro idioma quando adulto.
    Se ela implicou com você fazendo seu trabalho (até as quebecas de souche se enrolam com um cupom, eu sei porque ja usei, imagina com vários…) é porque é uma recalcada mezzz…

    E acho não, tenho absoluuuuuuuuuta certeza que sua ex-gerente gostou muito de você. Acho até que ela acha uma pena perder uma funcionária como você por conta d’um cocô ambulante como aquela mulher. Tenho certeza que ela gostou docê porque, culéga, ligar para saber como você estava dias depois é absolutamente anormal em qualquer lugar, inda mais no Québec. Ponto pra você!

    Anyway, semana passada por coincidência li um texto que me fez lembrar o seu post (faz tempo que li o post e tô querendo comentar faz dias, mas por N razoes só deu pra passar aqui agorinha):

    http://www.jobboom.com/carriere/l-echec-une-etape-normale-de-tout-processus/?utm_source=boomerang_fr&utm_medium=email&utm_campaign=boomerang_201504&utm_content=article_principal

    Adémas, me lembrei de um provérbio chines que li uma vez e adorei (a China tem muita coisa que detesto, mas tem uns provérbios bacaninhas, rsrs): “Be not afraid of growing slowly, be afraid only of standing still.”

    Deixa o stand still pra vache. muuuuuu!

    Cabeça erguida toda ponderosa sobre saltão Luis XV bem polido, que domingo é dia de festa 😉 !

    Bjinz
    Erika

    • Brazucoise disse:

      Erika, sua danada, seu astral é 1000!
      Você é bem das minhas: caça o lado bom em tudo, né?!
      Obrigada pela dose de incentivo e força.
      A vache ficou pra trás. Deve estar ruminando em algum pasto.
      Eu estou em outra já! Continuo passando uns apertos ainda, mas, como dizem nas redes, #quemnunca !
      Vida seguindo linda e ensolarada 😀
      Beijos meus,
      Nilian
      P.S. Não sei andar de salto até hoje! Abafa!

  9. Nilian me seguindo no wordpress??? Que honra, uau… Fiquei feliz agora, rs…
    Mas vamos lá, eu ia comentar aqui no outro dia quando li, mas daí pensei em fazer isso com calma.
    Primeiro, você não é a piada em nada, você é guerreira. Você foi, deu a cara pra bater, deu o seu melhor, se esforçou muito para fazer bem o seu trabalho e eu TENHO CERTEZA ABSOLUTA de que você aprendeu sim alguma coisa com esse trabalho, além da motivação dobrada que você tem para se empenhar nas coisas que você acha que te dificultaram. Eu particularmente acho que piada, seria aquela pessoa, que chega aí francófona, tinha uma vida medíocre no Brasil, mas se dão ao luxo de achar que o Canadá tem a obrigação de o dar a vida dos sonhos, por conta de tudo o que já passou no Brasil, como se fosse culpa ou obrigação do governo do Canadá, resolver o que foi o Brasil que fez, mas enfim… Eu vi vários assim, que estavam prestes a pegar a cidadania, mas voltaram ao Brasil, por frustração no Canadá, resultado: Voltaram achando que conseguiriam empregos maravilhosos, por terem tido experiência no Canadá, idiomas afiados e tudo mais e se lascaram feio! O Brasil não gosto de gente inteligente, cabeças pensantes, isso é um fato! Então minha querida, cabeça erguida, porque você não foi piada, foi sim uma grande inspiração de valores, de caráter e o principal, de humildade e coragem em seguir o próprio coração e fazer o que julgou certo no momento. Espero que você siga seus planos e em breve volte com notícias maravilhosas. Boa sorte e continuo aqui na torcida de sempre.

    • Brazucoise disse:

      Eu sigo os bons, caro Worldcitizendiary! hehehehe
      Valeu pelas palavras de força e incentivo. Vou seguindo melhor, mais cofiante, ainda passando meus perrengues, mas certa de que estou no lugar certo e na hora certa!
      Boa sorte na sua caminhada!
      Logo logo estará por aqui. Acredite!
      Bjo,
      Nilian

  10. Gabi disse:

    isso te fortalecera, acredite!
    Na minha vida de pré-enfermeira, trabalhei como préposée aux bénéficiaires, que é +- como um antigo atendente de enfermagem, so fazendo cuidados de base. Pois bem, meu momento **a piada sou eu** foi quando me pediram para pegar uma **guitare** para lavar os cabelos de uma madame. Hein?? Uma guitarra para lavar cabelos ?? Na minha maior inocência, falei com a outra PAB **a madame precisa de musica para lavar os cabelos ?** Ela nao entendeu e eu repliquei **pois vocês peditam a guitarra…** …. Nem preciso dizer que a outra PAB caiu em gargalhadas.
    Acontece!
    A gente aprende a cada dia!

    • Brazucoise disse:

      Oi, Gabi!
      Muito obrigada pelo carinho. Obrigada por compartilhar suas experiências também. Confesso que dei muitas risadas quando li sobre a “guitare”. Consigo visualizar a cena…hehehehehe
      Abraçao,
      Nilian.

  11. Pingback: Novidades e surpresas de verão | les brazucois

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s